Em sua busca por exoplanetas, os cientistas têm descoberto um mundo mais estranho e surreal do que o outro, com características que vão além das partes mais excêntricas da nossa imaginação. Agora, um novo estudo publicado na revista Nature descreveu um dos exoplanetas mais notáveis ​​já vistos: uma super-Terra de duas caras, no qual um lado se esconde em uma noite perpétua, enquanto a outra é bombardeada por sua poderosa estrela, deixando-a constantemente em estado de fusão.

O “55 Cancri e”, um mundo 41 anos-luz de distância da nossa Terra, foi descoberto em 2004. Foi notável por ser a primeira super-Terra – um planeta com uma massa superior a de nosso próprio mundo, mas não alcançando a de Netuno – que orbitava em torno de uma estrela de sequência principal. Há um debate em curso sobre a composição do planeta, em que alguns propuseram ser principalmente feito de carbono em forma de diamante.

55 Cancri e está tão perto de sua estrela-mãe que uma órbita inteira leva apenas 18 horas, o que significa que ele tem 487 anos para cada ano terrestre. Os pesquisadores pensam que a superfície deste planeta poderia, portanto, ser incrivelmente quente, cerca de 2.000° C. Além disso, um estudo anterior revelou que a sua atmosfera é rica em uma forma altamente tóxica de cianeto. Combinando isso com o calor, dá para imaginar que este planeta seria um lugar bastante desagradável para viver.

Duas caras

Este novo estudo, liderado pelo astrofísico Brice-Olivier Demory, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, acrescenta mais um capítulo fascinante para este conto celestial. Usando dados do telescópio espacial Spitzer da NASA, que pode detectar emissões de infravermelho, sua equipe produziu um mapa térmico do planeta distante, o primeiro de seu tipo para uma super-Terra, e revelou que ele é um mundo dividido em duas metades.

Devido à influência gravitacional de sua estrela, apenas um hemisfério fica de frente para ela em todos os momentos – muito parecido com o fato de que nós só vemos um lado da nossa própria lua da Terra. Seu mapeamento térmico mostrou que o lado diurno seria um dia de verão terrível de 2.500° C , o que significa que esta parte do planeta seria totalmente fundida; notavelmente, o lado na escuridão constante teria uma temperatura de “apenas” 1.100° C.

Fonte interna de calor

Este lado “frio”, coberto de paisagens de lava solidificada, provavelmente mantém a aparência de uma atmosfera, enquanto que do lado do oceano de magma provavelmente teria muito pouco, se houver alguma. Curiosamente, o planeta é ainda mais quente do que deveria ser: o mapeamento mostra que a irradiação estelar que ele está recebendo não é suficiente para fazer com que seja tão quente quanto realmente é. Isto significa que há uma fonte desconhecida de calor vindo de dentro do planeta, e os pesquisadores atualmente não têm nenhuma ideia sobre o que isso poderia ser.

“Nós ainda não sabemos exatamente do que este planeta é feito – ainda é um enigma”, confessa Demory. “Estes resultados são como a adição de mais um tijolo na parede, mas a natureza exata deste planeta ainda não é totalmente compreendida”.

De qualquer maneira, este mundo bizarro não é o primeiro de seu tipo – CoRoT-7b, a 480 anos-luz de distância da Terra, é um outro mundo de magma com duas caras bloqueado pela sua estrela. Alguns pensam que este planeta fantasma é o núcleo rochoso de um gigante de gás cuja atmosfera foi destruída pela sua estrela hospedeira. Não está claro se este é o caso do 55 Cancri e, mas uma coisa é certa – ambos os mundos são infernos vulcânicos nas profundezas do espaço.[HypeScience]

 

 

Comments

comments