Buracos negros supermassivos intrigam os cientistas há décadas. Contendo muito mais que um bilhão de vezes a massa do nosso sol, não sabemos direito como eles se formam.

Agora, uma nova pesquisa de colaboração internacional – envolvendo a Universidade de Kentucky (EUA), Universidade do Texas em Austin (EUA), Universidade de Colorado em Boulder (EUA) e Universidade de Osaka (Japão) – pode nos ajudar a desvendar esse mistério.

Simulações

Os pesquisadores fizeram simulações onde buracos negros supermassivos são semeados por nuvens de gás caindo em poços de matéria escura – a matéria invisível que os astrônomos ainda não conseguiram detectar, mas que acreditam que compõe a maior parte da massa do universo.

Eles descobriram que, enquanto a maioria das partículas nas simulações não cresceram muito, a nuvem central cresceu rapidamente para mais de dois milhões de vezes a massa do nosso sol em apenas dois milhões de anos, o que demonstra um caminho viável para um buraco negro supermassivo.

“Claro que apontar para um caminho viável ainda não significa que percorreu todo o caminho e formou um objeto tão bizarro”, disse o astrofísico Isaac Shlosman, um dos autores do estudo, ao portal Science Daily.

Ou seja, essa é uma boa hipótese para explicar como tais monstros galácticos surgiram, mas ainda precisamos entender melhor esse processo.

Buracos negros normais x supermassivos

Anteriormente, os cientistas assumiam que os buracos negros supermassivos eram simplesmente buracos negros “normais”, estelares, que cresceram ao longo do tempo.

Porém, quasares recém-descobertos – objetos brilhantes e distantes que contêm buracos negros supermassivos – tornaram essa hipótese menos provável. Alguns desses quasares já existiam 700 milhões de anos após o Big Bang. Seria muito difícil crescer buracos negros supermassivos a partir de buracos negros de tamanho estelar em tão pouco tempo depois do Big Bang.

Um argumento adicional contra a ideia de que buracos negros supermassivos foram semeados pelo colapso de algumas das primeiras estrelas é que estudos mostram que essas primeiras estrelas eram de tamanho normal e formaram buracos negros normais.
“Buracos negros normais e buracos negros supermassivos são completamente diferentes animais”, explica Shlosman.

No futuro

Os pesquisadores esperam que suas simulações sejam validadas quando o Telescópio Espacial James Webb, da NASA, for lançado, o que deve acontecer em 2018. Ele está programado para observar fontes distantes onde o colapso de gás está acontecendo.

Comments

comments